Skip to main content
02:51

Génération

Mudgal, Madhavi (France)

02:59

Ebhofolo

Mantsoe, Vincent (France)

Maison de la Danse de Lyon 2009 - Director : Picq, Charles

Choreographer(s) : Mantsoe, Vincent (South Africa)

Video producer : Maison de la danse

Integral video available at Maison de la danse de Lyon

Take a look at this work in the video library
02:55

Eye of the Heaven

Mae-Ja, Kim (Eye of the Heaven)

04:25

Des Gnawa dans le bocage

Des Gnawa dans le bocage (Morocco)

03:04

Hibiki

Amagatsu, Ushio (France)

Maison de la Danse de Lyon 1998 - Director : Picq, Charles

Choreographer(s) : Amagatsu, Ushio (Japan)

Video producer : Sankai Juku ; Maison de la Danse

Integral video available at Maison de la danse de Lyon

Take a look at this work in the video library
03:00

Kagemi [Beyond the methafors of mirror]

Amagatsu, Ushio (Japan)

Maison de la Danse de Lyon 2005

Choreographer(s) : Amagatsu, Ushio (Japan)

Video producer : Maison de la Danse

Integral video available at Maison de la danse de Lyon

Take a look at this work in the video library
03:28

b.c, janvier 1545, fontainebleau.

Rizzo, Christian (France)

Maison de la Danse de Lyon 2007

Choreographer(s) : Rizzo, Christian (France)

Video producer : l'association fragile;Maison de la Danse

Integral video available at Maison de la danse de Lyon

Take a look at this work in the video library
09:07

Birds with Skymirrors

Ponifasio, Lemi (New Zealand)

Maison de la Danse de Lyon 2010

Choreographer(s) : Ponifasio, Lemi (New Zealand)

Video producer : MAU

Integral video available at Maison de la danse de Lyon

Take a look at this work in the video library
02:58

Swan Lake - Mort du cygne

Hoghe, Raimund (Germany)

Maison de la Danse de Lyon 2008

Choreographer(s) : Hoghe, Raimund (Germany)

Video producer : Maison de la Danse

Integral video available at Maison de la danse de Lyon

Take a look at this work in the video library
03:32

Le sacre du printemps

Delente, Maryse (France)

Maison de la Danse de Lyon 1993 - Director : Picq, Charles

Choreographer(s) : Delente, Maryse (France)

Video producer : Compagnie Maryse Delente;Maison de la Danse

Integral video available at Maison de la danse de Lyon

Take a look at this work in the video library
02:51

Le sacre du printemps

Maalem, Heddy (France)

03:04

Le Sacre du Printemps

Nijinsky, Vaslav (France)

Rituais

Maison de la Danse de Lyon 2019 - Director : Plasson, Fabien

Autor : Anne Décoret-Ahiha

Descobrir

Modernização, urbanização, mundialização: nada adianta: a vida das comunidades sociais atuais gira em torno de ritos e rituais, muito além do domínio religioso. Observem o Desfile da Bienal da dança, em Lyon. O entusiasmo popular que suscita, desde a sua criação, em 1996, convenceu os organizadores da necessidade de o tornar num dos pratos fortes de cada edição, uma espécie de ritual cívico que permite aos artistas, bailarinos amadores e cidadãos do aglomerado de Lyon. 

Description

  Generation – Madhavi Mudgal  
  Nas danças sagradas, como por exemplo Odissi, um dos estilos clássicos da Índia o ritual da saudação serve para marcar a passagem entre o tempo do quotidiano e o da dança. A bailarina completa-lo, antes e depois de cada aula, de cada repetição ou de cada representação. Também favorece a disponibilidade mental e corporal do intérprete.    


  Desa Kela Patra  
  Na ilha de Bali, a maior parte das danças conta episódios extraídos do Ramayana, um dos grandes textos sagrados hindus. Representar deuses e deusas, reis e outras figuras mitológicas exige um conjunto de rituais que garantam o caráter sagrado do evento. Deles derivam um conjunto de códigos relativos à disposição do espaço e da orquestra, de seu nome «Gong».    


  Ebhofolo - Vincent Mantsoe  
  Se estiverem inseridos nas tradições antigas, também podem ser objeto de criações ou de reapropriações. A escrita coreográfica do sul-africano Vincent Mantsoe, junta elementos retirados dos rituais de cura, aos quais foi iniciado, aos movimentos das danças Zulu, Xhosa, Tai Chi e técnicas ocidentais modernas.    


  Eye of the heaven - Kim Maeja  
  Kim Maeja segue uma abordagem semelhante. Ela obtém o seu vocabulário gestual nas cerimónias budistas, nas danças folclóricas e xamânicas da Coreia.  


  Hibiki – Sankai Juku / Hymne aux fleurs qui passent – Legend Lin Dance Theater  
  Os estados dos corpos nos quais se movem os bailarinos de Japão de Sankaï Juku e de Taiwan de Legend Lin, resultam de um trabalho profundo sobre a consciência corporal, a respiração, o relaxamento, a relação com a gravidade. Além disso, os intérpretes têm necessidade, de um longo momento de preparação que tem o valor de ritual. Eles meditam; untam o corpo com um unguento branco, que também marca a transformação do ser.    


  
b.c  janvier 1545 – Christian Rizzo  
  Ao utilizar objetos ou elementos de caráter simbólico, alguns coreógrafos contemporâneos também oferecem ao seu espetáculo uma aura de cerimónia ritual. Em b.c. janvier 1545 de Christian Rizzo, as muitas velas dispostas sobre a cómoda negra fazem lembrar a luminária de uma igreja.    


  Birds with Skymirrors - Lemi Ponifacio  
  A cenografia e os jogos de luz contribuem igualmente para desenvolver uma atmosfera de religiosidade, como em Birds with Skymirrors, do samoano Lemi Ponifacio. Também o recurso a uma linguagem gestual lenta, grave, solene, que transforma o bailarino em sacristão.    


  Swan lake - Raimund Hoghe  
  Por fim, a própria dramaturgia do espetáculo e a organização cénica reproduzem os esquemas próprios dos rituais. Raimund Hoghe inicia os seus espetáculos com uma marcha circular. Nesse gesto inaugural, dedica o espaço à dança, e significa que ali, diante dos espetadores, vai-se produzir algo.    


  Le sacre du printemps - Raimund Hoghe  
  Raimund Hoghe realizou a sua «versão» da Sacre du printemps em 2004. Tal como cerca de outros 200 coreógrafos de todo o mundo, o artista alemão foi confrontado, num momento da sua carreira, com a obra-prima de Stravinsky, criada em 1913. Desprovido de intriga, o ballet organiza-se em duas partes. Na primeira, intitulada «L'Adoration de la terre» (A adoração da terra), há todo um povo, dividido em grupos etários diferentes, que celebram as forças terrestres e imploram a renovação da natureza. Em «Le Sacrifice» (O Sacrifício) a Eleita inicia uma dança sagrada diante de uma plateia de anciãos, antes de sucumbir, oferecendo assim a sua juventude. Vaslav Nijinski compôs uma coreografia que rompia totalmente com os códigos do vocabulário clássico: posturas «en dedans», braços angulosos, dobramentos do peito, tremores de pernas... A modernidade musical e coreográfica da obra provocou um verdadeiro escândalo que despoletou confrontos entre os espetadores. O ballet cai no esquecimento. Foi preciso esperar até 1987 para que a versão original, fosse reposta em cena.  


  Le sacre du printemps - Heddy Maalem  
  Em 1959, o jovem Maurice Béjart enfrenta o desafio: criar um ballet sobre essa música de complexidade assustadora. Dessa vez, foi um triunfo. Desde então, vários coreógrafos apresentaram a sua «versão». A obra faz o artista enfrentar uma questão existencial: o lugar do ser humano no seio do universo e no seio da comunidade social. É assim que o Sacre se tornou, como tal, um rito de passagem, com o qual o coreógrafo prova a sua maturidade. Heddy Maalem fez a sua em 2005. Foi qualificado de «Sacre africano», em especial pela origem da África Ocidental dos catorze intérpretes. Marcada pelo caos urbano da capital nigeriana, onde ele residira, o coreógrafo apoia-se na música de Stravinsky para revelar a violência do mundo e a integração da vida e da morte. A temática do acasalamento, também surge. Homens e mulheres cruzam-se, agarram-se com ardor.    


  Le sacre du printemps - Maryse Delente  
  Quanto a Maryse Delente, ela narra o despertar feminino para a sexualidade, a erupção de um desejo desconhecido, simultaneamente exaltante e assustador, para essas jovens mulheres, que oscilam entre a inocência e a perversidade.   

Com mais profundidade

  DOUGLAS, Mary, GUERIN, Anne (trad.). De la souillure : Essais sur les notions de pollution et de tabou [Purity and danger]. Paris : F. Maspero, 1971. 1934 p. (Bibliothèque d’anthropologie).  
  SEGALEN, Martine. Rites et rituels contemporains. Paris : Nathan, 1998. 128 p. (Sciences sociales).  
  STRAVINSKI, Igor. Chroniques de ma vie (1882-1935). Paris : Denoël-Gonthier, 1974. 240 p.  
  DOUGLAS, Mary. « La ritualisation du quotidien », in Ethnologie Française, XXVI, 2, Paris, Presses Universitaires de France, 1996, p. 597-604. 

Autor

Anne Décoret-Ahiha est anthropologue de la danse, docteur de l'Université Paris 8. Conférencière, formatrice et consultante, elle développe des propositions autour de la danse comme ressource pédagogique et conçoit des processus participatifs mobilisant la corporéité. Elle anime les « Échauffements du spectateur » de la Maison de la Danse.

Créditos

Selecção de excertos

Charles Picq, Anne Décoret-Ahiha  

Selecção de textos e bibliografias

Anne Décoret-Ahiha

Produção

Maison de la Danse
 
O Parcours “Rituais” foi lançado graças ao apoio do Secretariado Geral de Ministérios e Coordenação de Políticas para a Inovação Cultural  
 
 

Your opinion interests us
By accessing the website, you acknowledge and accept the use of cookies to assist you in your browsing.
You can block these cookies by modifying the security parameters of your browser or by clicking onthis link.
I accept Learn more